sábado, setembro 30, 2006

CULTOCLUB & OUTUBRO NEGRO apresentam:

sábado, junho 24, 2006

Festival Musas Do Metal

Setúbal On Fire

terça-feira, junho 20, 2006

METAL GDL

segunda-feira, junho 12, 2006

Lisboa Trash Film Festival

"No dia 21 de Junho"City of the Living Dead" - O Dr. Lucio Fulci explicará como é possível ressuscitar os mortos se os sacerdotes católicos decidirem renunciar aos votos. "The Evil Dead" - O Professor Sam Raimi discorrerá acerca do poder revitalizante das incantações contidas no Livro dos Mortos, se forem gravadas e reproduzidas numa cabana isolada na floresta.
No dia 28 de Junho"Redneck Zombies" - O Eng. Pericles Lewnes ensinar-nos-á como fabricar o elixir da eterna juventude a partir da destilação de milho e de resíduos tóxicos radioactivos."The Living Dead at the Manchester Morgue" - o Dr. Jorge Grau colocar-nos-á perante uma escolha radical: ou um mundo rural sem pragas de insectos, ou uma cidade inteira repleta de zombies famintos de carne humana.
A entrada é livre. As conferências terão início Às 21h30, no Última Sé Bar, na Travessa do Almargem (junto à Sé de Lisboa, por trás da Casa dos Bicos)."



Para mais informações, http://cinemaesquisito.blogspot.com

O Lado Negro Bar - Agenda de Junho

INDUSTRIBAL

After Party do Summer Blast Fest


"O Culto Club vai fazer a After Party do Summer Blast Fest com
os Djs Goblin & Jó na sexta dia 16 será um evento englobado nos
3 anos de Culto.
Se apresentares o bilhete tens direito a uma imperial depois
das 02:00h da manhã."

quinta-feira, junho 01, 2006

NAMEK + BLEEDING DISPLAY + MOLESTIA


Apresentação dos Álbuns: "Vaginator" dos Namek e "Ways to End" dos Bleeding Display

Dia 9 de Junho às 21h
Entrada Livre
Local: Casa Municipal da Juventude / Ponto de Encontro
Rua Trindade Coelho nº3, Cacilhas - Almada

NAMEK
A primeira encarnação de NAMEK surgiu em 1998, por obra e graça de Dr. Lombrigus (Vítor Mendes – guitarra) e Oktopus (Simão Santos – baixo e voz), na altura como um projecto paralelo. Em finais de 2000 foi gravado o primeiro material, duas demos que seriam editadas pelo pseudónimo ULTRAPODRE, numa split tape com os canadianos FUCK THE FACTS (War Prods.). Devido a diferenças musicais, este projecto não durou muito mais tempo. Simão então juntou-se aos GROG e Vitor continuou a sua actividade nos SYSTEMATIC COLLISION.
Mas em Dezembro de 2001, os NAMEK (tal como são conhecidos hoje) começaram a dar os primeiros passos. Simão Santos juntou-se ao baterista Beto (ex- GROG) e ao guitarrista Alex (ex-DEVICE). A banda começou a ensaiar regularmente, e na Primavera seguinte surgiu a oportunidade de participar na compilação de Tributo a GUT (American Line Prods.), onde NAMEK contribuiu com a cover da música " Women in Decay".
No final do Verão de 2003, Paulo (ex-CARNIFICATION, dos Açores) juntou-se à banda como segundo guitarrista, dando assim a força necessária à banda para se tornar num colosso do Grind (ou então não…)!
E no Verão de 2005, os NAMEK entraram em estúdio para iniciar as gravações para o álbum de estreia, denominado " Vaginator", que terá edição prevista para Junho de 2006.
No final de 2005, tiveram lugar algumas mudanças no line-up da banda: Simão decidiu dedicar-se unicamente à voz, e para o lugar de baixista entrou Samuel, baixista dos SIDEFFECTS e de THE LADDER.
Grind on!

BLEEDING DISPLAY
Esta banda pratica um Death Metal desde 1999. Em 2000, nasceu a primeira gravação "Bleeding Promotion", um promo-cd com 3 faixas que reuniu grandes críticas. O ano de 2003 foi dedicado à sua apresentação ao vivo, com muitos concertos dados em todo o país, e também com 2 datas em Espanha, gravando no final do ano um split-cd "War and Death Vol. 1" com Cranial Incisored, Diabolical Messiah e Unfleshed. Em 2004, dedicaram-se à composição de novo material e tocaram em alguns dos festivais mais importantes de Portugal. Em 2005, gravaram o seu primeiro álbum, com 9 faixas de Brutal Death Metal

MOLESTIA
Os MOLESTIA são uma banda de Retro Death Metal, sediada em Lisboa, cuja fundação remonta ao final do ano de 2001. Os desejos de então revelaram uma acentuada influência do Death Metal Sueco do inicio dos anos 90, sendo ainda adicionada uma toada também algo remissiva aos projectos underground da América do Sul. Pouco tempo depois do aparecimento do colectivo, o nome Molestia fazia já parte do underground e o tema "Blood cum in vynil" foi divulgado pela primeira compilação da Dark Music Productions. Ao vivo, a componente cénica, de espirito activista, e a força em palco, provocaram diversos elogios dos media, e o corolário de tal projecção foram algumas datas a abrir para os gregos Rotting Christ. Entretanto no verão de 2004 o guitarrista da banda - J.Verga – foi de novo viver para fora de Portugal ficando a actividade da banda em "standby" até ao final de 2005. A irmandade entre todos os músicos e a vontade de arranjar uma nova editora para lançar o álbum, que já havia sido licenciado há 2 anos atrás, regressou em força e como consequência a banda regressou em 2006 para uma série de concertos em solo luso e espanhol. O álbum intitulado "You are Sissy-Pussy" tem o lançamento previsto para o final do verão, mas já no dia 6/6/06 será apresentado aos Media o single de avanço "De La Tumba".

quarta-feira, maio 24, 2006

ASHRAM + TROBAR DE MORTE


"Dotados de uma sensibilidade musical singular, os Ashram conseguiram conquistar um grupo de fãs discretos mas fiéis à volta da sua música delicada e de variadas performances memoráveis em concerto aquando das suas duas anteriores passagens por Portugal em 2002 e 2004. O estílo neo-clássico que serve como alicerce na música de Ashram é habitualmente construído a partir das disposições temperamentais do pianista Luigi Rubino, que marca os seus temas com um maneirismo cinematográfico próximo do film-noir, em conjunto com a jovialidade dos arranjos de Edo Notarloberti, um violinista famoso pelas suas prévias colaborações com outros projectos napolitanos e cujas frases musicais conferem, de uma forma brilhante, o carácter comovente que destingue este projecto. Sergio Panarella, o talentoso vocalista do grupo, possuidor de uma extraordinária voz, adiciona os tons mais claros às criações de Ashram, contribuindo também com algumas baladas Folk baseadas em guitarra acústica.
Quatro anos após a sua estreia homónima, o ensemble italiano completa finalmente o seu segundo álbum, "Shining Silver Skies", um trabalho que se desdobra num exercício de êxtase musical, embebido numa nostalgia doce que oscila entre memórias de perdas profundas e paixões arrebatadas. Para além das datas incluídas no Ciclo Medusa, os Ashram deslocar-se-ão pela segunda vez ao arquipélago dos Açores para mais uma pequena série de concertos.
A abertura do concerto será conduzida pelos catalães Trobar de Morte, com a finalidade de apresentar ao vivo e pela primera vez em Portugal o seu mais recente e aclamado disco "Reverie". Este quarteto alimenta-se de sonoridades Folk, Celtas e Medievais, fazendo uso de instrumentos tradicionais como flautas, guitarras acústicas e variadas percussões, sem renunciar à comodidade dos avanços tecnológicos e ao uso de sintetizadores e samplers para retratar um Universo fantástico, onde os sonhos e a magia encontram um lugar comum."

www.ashramusic.com www.trobardemorte.com

Reservas e vendas :

Equilibrium Music - 91 489 70 21 / 966 636 647

Santiago Alquimista - 218 884 503 / 918 898 677

02 Junho - 22h00 - €10.00, Santiago Alquimista

www.santiagoalquimista.com

segunda-feira, maio 22, 2006

DAZKARIEH

DAZKARIEH
Dia 26 de Maio - 22h
Entrada Livre
Casa Municipal da Juventude / Ponto de Encontro
Rua Trindade Coelho Nº3
Cacilhas
2800-297 Almada

"A música dos Dazkarieh é caracterizada por um manancial rico e diversificado de sons inspirados em várias culturas musicais do planeta, partindo do uso, da exploração e da fusão de instrumentos e de elementos musicais com origens distintas. A heterogeneidade musical assumida pelo grupo é patente num conjunto de composições que, pela síntese de materiais musicais tão diversificados, podem ser apontadas como singulares, mas sempre cativantes e originais. Por outro lado, a formação musical diferenciada dos seus instrumentistas (música tradicional, rock, experimental e música erudita), contribui igualmente para o enriquecimento do processo criativo do grupo.

Formados em 1999, por Filipe Duarte (guitarra clássica), José Oliveira (percussões) e Vasco Ribeiro Casais (cordofones e sopros), o grupo passou por duas grandes etapas na sua sonoridade, como resultado das diferentes sensibilidades musicais dos músicos que por ele passaram. Este facto explica a conotação dos Dazkarieh com o que o jornalismo musical e a indústria de comércio de fonogramas apelidaram de "som celta", ou até mesmo de "sonoridade folk-gótica" (conotação patente nalgumas franjas de mercado europeias, sobretudo em Itália), na primeira fase da existência do grupo, fase essa que culminou com o lançamento do primeiro fonograma (Ed. Bigorna, 2002).

A segunda fase de existência do grupo foi marcada pela composição e a produção do 2º registo discográfico. A constituição dos Dazkarieh alterou-se integrando então, 5 novos elementos, assim como se alterou também a filosofia e a atitude do colectivo em relação à sua orientação musical e à sua integração no mundo do espectáculo. Neste novo ciclo criativo do grupo é ainda de salientar a concepção de canções em língua portuguesa (até então o Dazkariano constituiu a base de todas as canções), com letras de autoria de Tiago Torres da Silva e de Ricardo Gouveia e Helena Madeira.

Deste modo, a partir do segundo registo discográfico (Ed. Bigorna, 2004), a música dos Dazkarieh, devido à fusão de materiais musicais tão diferenciados, passou a ser conotada com o que a indústria vulgarmente designa por world-music, apesar dessa franja de mercado ser ainda muito incipiente em Portugal. Esta circunstância motivou o estabelecimento de contactos internacionais, culminando no verão de 2004 com concertos no norte de Espanha (Alcañices, Zamora, Festival Folk de Aliste; Muiños, Galiza, Festival Folk).

No momento presente, os Dazkarieh encontram-se focados em fundir os diversos universos musicais que exploraram ao longo da sua carreira com a música tradicional Portuguesa, introduzindo assim alguns temas dessa tradição no seu repertório de composições.

Actualmente, o grupo é composto por:
Vasco Ribeiro Casais: Bouzouki, Nyckelharpa, Flautas, Gaita de Foles e Didjeridoo;
Luís Peixoto: Bouzouki Irlandês, Bandolim e Cavaquinho;
Helena Madeira: Voz e percussões;
Baltazar Molina: Cajon, Darabuka, Riqq, Bendir, Tar e Adufe."
Free Guestbook from Bravenet.com Free Guestbook from Bravenet.com